"Diagnóstico não é destino"

Triathlon

Race Report 70.3 Florianópolis

BUR18IMF15671

Fui pra essa prova sem ideia de tempo, só queria terminar bem, era um teste para ver como meu corpo iria reagir, se eu iria "travar" em algum momento da prova, se a dor ficaria insuportável....

Vamos por partes então, a semana que antecedeu a prova foi complexa, tive que levar injeções de antiinflamatórios e analgésicos, estava em crise e com muita dor.

O plano B como já falei, era eu não correr, se sentisse que só iria piorar meu quadro, pois minha prova alvo é o 140.6 IRONMAN full (3.800 de natação, 180km de ciclismo e 42km de corrida). Naquela semana fiz liberação miofascial 4 vezes, sendo a ultima sábado a noite antes da prova.

Como diz a Dani ( meu anjo, amiga e massoterapeuta), eu travo em lugares que jamais é ensinado em sala de aula, minha musculatura faz espasmos musculares horríveis para tentar proteger as articulações.

Então, fiz tudo o que precisava para acordar bem no domingo.

Acordei as 4 horas, tomei um café reforçado as 4:30, eu levo tudo o que como para o hotel (já que não posso ingerir glúten e proteína do leite).

As 5:20 saímos do hotel e fomos para o local da prova, eu adoro o clima, a animação das pessoas, a rotina de ir lá arrumar as sacolas, a bike, deixar tudo pronto e ir para a areia, aguardara largada.

Eu não fico ansiosa, não fico nervosa, aprendi a me manter tranquila, acho que isso se deve ao fato de eu não ter nenhuma cobrança, me preocupo só em curtir aquilo tudo.

Natação 1900 metros: nadei bem até os 1200 metros, depois disso meu óculos embaçou e não teve jeito de eu enxergar mais nada, então tive que ficar parando pra me manter na direção da saída da agua. Isso fez com que eu nadasse 5 minutos a mais do que costumo nadar. Nadei para 45 minutos. Mas fiquei feliz, não senti dores durante a natacao.

Clclismo 90 km: adoro pedalar nesse percurso, tem bastante vento, mas isso eu já sabia, ainda bem que as vezes ele ficava a favor hehehe. Muitas subidas, então nas descidas eu soltava tudo, para tentar recuperar o tempo. Durante o ciclismo meu sacro foi travando demais, fiquei completamente rígida, só conseguia me manter clipada, se tentava levantar a dor piorava (precisei tomar dois analgésicos), com isso eu percebi que fui inchando durante a prova. Terminei em 3h20 minutos, 10 minutos a cima do que costumo fazer me prova. Mas depois de 9 meses sem treinar, não tenho do que reclamar.

Corrida 21 km: sai pra correr e pensei, vai ter que ser no coração e por todo mundo que esta torcendo por mim.Eram 3 voltas de 7km com 1 sol pra cada pessoa, estava quente demaissss!!!Fechei a corrida para 2h20minutos.

Primeira volta foi a mais difícil, na segunda volta meu corpo se acostumou, mas fiz hipoglicemia (parei, comi uma bananinha e balinhas), tomei mais um analgésico, estava sentindo tantos "choques" no sacro, ai voltei ao normal, a terceira volta eu fiz com uma amiga a Fernanda Portelli, fomos conversando e terminamos a prova juntas, na parceria. Durante a prova fui ficando muito inchada, no final nao conseguia fechar as mãos, como tomei 3 analgesicos, acho que fiz uma sobrecarga renal.

Passar pelo pórtico é algo mágico, eu me senti muito mais forte, me senti renovada, eu já sabia que daria conta, nunca duvidei, ver minha família e amigos ali gritando por mim, é gratificante demais.

Assim que passei o pórtico ainda tive uma baita surpresa, fui chamada pela galera do Ironman Brasil para contar minha historia, depois de 6h42minutos de prova falar no microfone, contar minha superação, foi literalmente magico. 

Ser imune é estar protegido!
70.3 Ironman Florianópolis

Posts Relacionados

Comentários

 

Inscreva-se para ser avisado sobre novos posts

© Copyright 2018 - Fernanda Hayde

Ventura Web Solutions