"Diagnóstico não é destino"

Especialistas

Doença Autoimune 2

autoimmunity-696x522 Foto do sitehttps://universoracionalista.org/o-que-e-uma-doenca-autoimune/

Olá pessoal!!! Em nosso último contato apresentamos a relação doença auto-imune e dieta. Falamos também em evitar alimentos inflamatórios e cuidar com a saúde intestinal – imunidade.

Pois bem, e na prática como seria esta dieta?

Em primeiro lugar esta dieta deverá ser livre de "irritantes intestinais", pois como falamos anteriormente a permeabilidade intestinal é um importante fator das doenças autoimunes. Os industrializados (tão presentes na dieta moderna), de uma forma geral ricos em corantes, conservantes e substâncias químicas deverão passar longe! São eles: bolachinhas, barrinhas de cereais, biscoitinhos integrais ou refinados, pães de mercado, sucos de caixinha ou em pó, refrigerantes, sorvetes, conservas, enlatados, etc.

Ahhh e nesta lista temos também o açúcar refinado - um grande irritante intestinal, assim como os óleo refinados. Evite adoçar as preparações como sucos por exemplo, e em bolos use a tâmara. Os óleos refinados deverão ser substituídos pelo óleo de coco, excelente antiinflamatório dentre tantosoutros benefícios.

Não podemos esquecer também que a deficiência de nutrientes, muito presente nesta dieta moderna, contribuiu com o desenvolvimento destas doenças. Praticamos hoje uma dieta com alto valor energético porém com baixo valor nutricional.

Então de posse destas informações concluimos que quanto mais "limpa" a alimentação, entendam, com o menor teor de industrializados e mais natural, melhor a saúde intestinal! E quanto mais variada e colorida mais nutrientes para restabelecer o intestino. Capriche nas frutas e verduras!

A glutationa, conhecida como o "antioxidante mestre", desempenha um papel fundamental na desintoxicação destas substâncias químicas nocivas e está geralmente em deficiência nas doenças auto-imunes. Para melhorar a sua produção, aumente a ingestão de alimentos ricos em enxofre como cebola, repolho, abacate, espargo, batata doce, abóbora, quiabo, couve-flor, laranja, melão, pêssego… Orgânicos? Sim, sempre que possível e acessível é a melhor opção sem dúvida nenhuma!

Outro ponto a considerer na dieta é o consumo excessivo de leite de vaca e derivados, ou seja, diário ou em grandes quantidades - deverá ser revisto! No café ou em preparações necessárias use o leite de coco natural (bebidas vegetais).

O famoso e tão discutido glúten, uma proteína que é encontrada no trigo, centeio, cevada e aveia não biológica está ligada a várias condições auto-imunes. Aqui vale lembrar que intolerância ao glúten não deve ser confundida com a alergia, caracterizada por sintomas graves que determinam a doença celíaca. Isto significa que os seus exames aos anticorpos antigliadina podem ter resultado negativo, portanto não ser celíaco, mas mesmo assim ter sintomas de intolerância. Busque por opções livres de glúten, exemplo: ao invez de um macarrão opte por um purê de batatas ou arroz, mas se mesmo assim a vontade é por um macarrão, opte pelas versões sem glúten, macarrão de arroz/ de milho/ de aipim…

E sempre é válido lembrar da hidratação! Muita água de gole em gole durante o dia!

Aqui está uma idéia da alimentação, porém cada individuo tem e deve ter suas adaptações frente às suas condições de saúde e financeira e também as suas preferências alimentares. O acompanhamento com um bom profissional nutricionista se faz necessário para individualizar esta dieta e torná-la acessível e funcional.

Em nosso próximo encontro vamos partir para a suplementação. Há nutrientes fundamentais neste processo que deverão ser suplementados. Falaremos sobre eles e suas aplicações junto da dieta.

E se você tiver dúvidas ou quiser saber mais sobre algum ponto em especial entre em contato! Teremos o maior prazer em te ajudar.

You are an Ironman
As lições de quem venceu uma doença autoimune e se...

Posts Relacionados

Comentários

 

Inscreva-se para ser avisado sobre novos posts

© Copyright 2018 - Fernanda Hayde

Ventura Web Solutions