"Diagnóstico não é destino"

Depoimentos

Um IRONMAN com géis, isotônicos e insulina: um desafio a mais

IMG_4227 IMAGEM ANDRIGO BEBER
"Nada impede se houver planejamento"

Com essa frase vou me apresentar a vocês. Meu nome é Andrigo Beber, tenho 38 anos, casado, pai do Frederico dentista, professor universitário ,triatleta e diabético .

Aos treze anos descobri que era diabético , confesso que fiquei perdido pois não tinha conhecimento a respeito da doença mas desde então comecei a tomar os cuidados necessários e nunca deixei de fazer nada por isso. O diabetes não é uma doença incapacitante , ainda não tem cura porem é plenamente tratável.

Iniciei minha jornada no Triathlon já diabético e minha primeira prova oficial foi em 2006 no tradicional circuito do Sesc de Caiobá. A partir dai a distância foi só aumentando. Em 2010 fiz meu primeiro Ironman 70.3 ( hoje são 8 já) . Foi aí que percebi que me sentia melhor em provas com distâncias maiores. Em 2012 fiz meu primeiro Ironman completo ( hoje tenho 2)

Ao me inscrever para o primeiro ironman full, assim como qualquer atleta, comecei a dura rotina de treinos. Fiz oblongos de pedal, de corrida, simulados , sempre trabalhando volume. Mas alem do físico, eu tenho um rigoroso controle de açúcar no sangue, principalmente durante os treinamentos. Era necessário parar no percurso para medir a glicemia ( açúcar no sangue). Sempre tive acompanhamento medico para deixar meus níveis de açúcar idéias para as provas. Hoje até meu endocrinologista virou triatleta de provas longas.

No dia da prova em Floripa eu fiz a medição da glicemia na primeira perna da natação, durante o pedal e na corrida. Ao todo foram 11 medições. Em relação à alimentação, fui bem abastecido com batatinhas, bisnaguinhas, gel de carboidrato, balas e por aí vai.

O que ninguém percebe é que o diabetes tem seu ponto positivo. Pelo fato de acompanhar e medir frequentemente as glicemias, tenho mais dados para o planejamento técnico . Por cuidar tanto da saude acabo monitorando melhor minhas reações e isso me ajudou muito nas provas

Meu único adversário na prova sempre foi eu mesmo, desistir nunca foi uma opção muito menos por ser diabético . As glicemias eram somente mais um ponto a se cuidar na prova.
O PODER DA PRÁTICA RESPIRATÓRIA
O QUANTO MEU CORPO É CAPAZ DE SUPORTAR?

Posts Relacionados

Comentários

 

Inscreva-se para ser avisado sobre novos posts

© Copyright 2018 - Fernanda Hayde

Ventura Web Solutions